quinta-feira, 11 de março de 2010

Da teoria a prática

Nunca pensei que "dormir como um valete" (ou expressão parecida) seria tão prestativo algum dia da minha vida (nunca, pois não passou pela minha cabeça estar presa).

Lembro-me que em um professor havia dado o exemplo da maneira como alguns presos, considerando a superlotação, dormem. Seria um esquema de revezamento. Alguns dormem, outros não, uns dormem em uma posição e outros dormem no seu contrário. Ou seja, dormem vendo o pé do colega.

Da teoria à prática...
Dividi a minha cama com uma prima. Como ela dormiu antes, teve o privilégio de ter a opção de poder se "esparramar". E como havia um braço esticado onde supostamente eu deveria estar deitada, a única opção que eu tive (porque dormir no chão... não, não!) foi dormir tentando não ver o pé dela. Deu certo! Todas saímos contentes. Mas eu não indicaria isso a um casal!

Nenhum comentário:

Postar um comentário